Sexta-feira, 3 de Fevereiro de 2006

Estudo de produtividade industrial

Portugal tem produtividade débil mas com potencial


 


A produtividade da indústria portuguesa é de longe a mais baixa da União Europeia a 15, estando reduzida a cerca de metade da registada no país europeu mais próximo, a Grécia, e a quase um terço da Espanha.

No entanto, ainda há motivos para esperança, uma vez as causas para o atraso português estão concentradas em apenas dois dos cinco factores utilizados para calcular a produtividade industrial dos países. Ao nível do capital humano e da capacidade de gestão, Portugal está em grande desvantagem, mas no que diz respeito às infra-estruturas, acesso a capital e integração no comércio internacional, os resultados nacionais estão próximos dos melhores do mundo.

Isto permite que uma empresa que decida investir em Portugal, realizando uma aposta forte na formação dos trabalhadores e aplicando métodos de gestão de nível internacional, tem todas as condições para atingir um rácio de produtividade situado entre os melhores.

As conclusões surgem num estudo publicado pelo Banco de França, na sua página de internet, que analisa as causas para as diferenças de produtividade industrial entre 51 países em todo o mundo.

Os autores - Daniel Cohen e Orsetta Causa - distinguem cinco factores que contribuem para o cálculo da produtividade industrial o capital físico, as infra-estruturas, o capital humano, a integração no comércio internacional e a eficiência residual.

Combinados todos estes indicadores, Portugal fica com uma produtividade industrial de 0,26 pontos, um valor próximo do registado em países como o Uruguai, Venezuela, Panamá e África do Sul. Por isso, os autores agrupam Portugal num terceiro conjunto de países classificados como "débeis", atrás dos "ricos" e "emergentes", onde estão colocados todos os outros países europeus.

Os autores afirmam que Portugal sofre do "duplo ferrolho de um nível de capital e de uma eficiência residual débeis, apesar de uma integração comercial muito boa".

Capacidade de atracção do investimento ainda elevada.

Apesar do cenário negro ao nível da produtividade , Portugal tem razões para acreditar que é possível garantir a entrada de investimento no sector industrial. Como assinala o estudo, "se o investidor é capaz de fornecer, não só o capital, mas também a formação profissional e a eficácia produtiva da sua empresa, os únicos factores que lhe interessam são as infra-estruturas e o acesso ao mercado mundial".

Por isso, os autores calculam um indicador parcial de produtividade que utiliza apenas estes dois últimos factores. E aqui, Portugal, que no indicador global fica na 29ª posição entre 51 países, salta para o 15º lugar, já à frente da Grécia e muito próximo de países como a Itália, Áustria a Dinamarca.

Por causa deste resultado, Portugal colocado pelos autores num conjunto de países, que inclui a Espanha, Bélgica e Hungria, classificados como tendo "um forte potencial".

"Se um país é menos produtivo por falta de capital, por exemplo, é possível que um investidor estrangeiro resolva o problema. Se é por falta de infra-estruturas internas ou comerciais, a tarefa torna-se mais difícil", explica o estudo.


 



in

 


 


Quer dizer que é necessário uma "mãozinha" estrangeira?


 


Peço desculpa pela ausência que se vai prolongar pelo mês de Fevereiro, ausência essa forçada, devido assuntos escolares (testes).


 


Um bem haja.


 


Portugal Sempre

publicado por SSoldado_Lusitano às 18:59
link do post | comentar | favorito
|
1 comentário:
… Olá Bloguista.

Informações Úteis aos ALUNOS do Secundário e aos ALUNOS Universitários das CLASSES SOCIAIS Média, Média-Alta, Alta e RICOS.

Sabiam que:
.
.
.
*** EM CADA DOIS (2) alunos universitários UM (1) NÃO ACABARÁ o Curso !?!?!?!?!?!?!?!?!
.
.
.
Nota: Em ENGENHARIA É MUITO PIOR. Em cada quatro (4) alunos universitários três (3) não acabarão o Curso !?!?!?!?!?!?!?!?!
.
.
.
Ou seja. DOS ALUNOS QUE ENTRAM nas Universidades e Politécnicos (Públicas ou Privadas) CINQUENTA POR CENTO (50%) -- NÃO CHEGA -- A ACABAR O CURSO. A maior parte desiste nos 3 primeiros anos do Curso.

No total Duzentos e Vinte e Cinco Mil (225.000) alunos não terminarão o Curso. Logo Dinheiro do Estado e dinheiro das Famílias deitados ao lixo todos os anos (Mais de Quatro Mil e Quinhentos Milhões (4.500.000.000) de Euros anuais).

Nota Importante: NÃO SE PREOCUPEM COM OS POBRES. Porquê?!?! Porque nas Universidades e Politécnicos (Públicos e Privados) há:

- Um por Cento (1%) de Pobres;

- Sete por Cento (7%) de Classe Média-BAIXA.

- Noventa e Dois por Cento (92%) de Classes Média, Média-Alta, Alta e Ricos. E SÃO ESTES QUE SE LIXAM!! Abram os Olhos!



.
*** Um CURSO DE CINCO (5) ANOS É FEITO, em MÉDIA, em OITO (8) ou NOVE (9) anos!


*** Dos Cinquenta por cento (50%) que TERMINAM O CURSO:

Setenta por cento (70%) tira-o a COPIAR!!?!!?. Senão CHUMBAVAM também (seria 85% que não acabaria o Curso !!?!??!?!?!) e Profissionalmente serão ineficientes e medricas e inseguros.


QUEM NÃO SE ACREDITAR NESTAS INFORMAÇÕES:

Perguntem aos Administradores dos Serviços de Acção Social, aos Reitores e aos Presidentes das Universidades e Institutos Politécnicos, tanto Públicos como Não-Públicos.


SOLUÇÕES SIMPLES:

i -- FECHEM todas as Universidades e Institutos Politécnicos durante cinco (5) anos e ABRAM Escolas Secundárias Técnico Profissionais COM ACESSO À UNIVERSIDADE.;

In “Livro aconselhado às Escolas Técnico Profissionais com acesso ao Ensino Superior”, http://eunaodesisto.blogs.sapo.pt/arquivo/2005_12.html#893945


E/OU ENTÃO,

ii -- AUMENTEM AS PROPINAS, anualmente, para CINCO (5) VEZES o SALÁRIO MÍNIMO NACIONAL (nos Institutos Politécnicos Públicos e nas Universidades Públicas).

Prova dos Nove contra os Aldrabões e Aldrabonas e a sua “Ladainha dos Pobrezinhos”:

Ver: “Alunos COM POSSES têm mais hipóteses no ENSINO (superior) PÚ-BLI-CO”, http://jn.sapo.pt/2004/08/22/sociedade/ha_portugal_cultura_facilitismo.html.


PROPOSTA DE MELHORIA:

Que a maior parte dos COLÉGIOS deixe de ministrar o Ensino GERAL (+/- igual a Palha com notas inflacionadas) e passe a ministrar o Ensino TÉCNICO-PROFISSIONAL com acesso ao Ensino Superior. É lógico!


OFERTA PELA DIVULGAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

TODOS os Alunos PODEM E - DEVEM – Candidatar-se / Concorrer TODOS os anos à BOLSA DE ESTUDO nas Universidades e Institutos Politécnicos (Públicos e Não Públicos):

"Oh ALUNOS Portugueses III" - SUBSÍDIO ESCOLAR e BOLSA DE ESTUDO , 30 Abril de 2004 em http://eunaodesisto.blogs.sapo.pt/arquivo/2004_04.html#128423

José da Silva Maurício




Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2006

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Sugestões de Leste

. Algo mais...

. Reparos

. A Droga e o Governo

. Espaço Xenofobia

. Consequência

. Bom Ambiente

. Manifestações

. Um País anestesiado

. “Navegar é preciso”

.arquivos

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

.links

M560_1.jpg
blogs SAPO

.subscrever feeds